Mato Grosso em Foco Publicidade 1200x90
25/02/2023 às 11h20min - Atualizada em 26/02/2023 às 00h02min

Seca na Europa em 2023 pode ser mais severa que em 2022; FOTOS mostram canais secando e pouca neve nos Alpes

A situação da seca na Europa começou em 2018 e vem se tornando um problema cada vez maior no decorrer dos anos.

G1
https://g1.globo.com/mundo/noticia/2023/02/25/seca-na-europa-em-2023-pode-ser-mais-severa-que-em-2022-fotos-mostram-canais-secando-e-pouca-neve-nos-alpes.ghtml


A situação da seca na Europa começou em 2018 e vem se tornando um problema cada vez maior no decorrer dos anos. Imagens de satélite mostram a situação da seca na Europa Central
Reprodução/Kvas - TU Graz
A situação climática na Europa é, a cada ano, mais preocupante. Estudos recentes mostram que uma seca severa pode atingir o continente em 2023, de forma ainda mais alarmante do que já foi registrado no ano passado.

Uma pesquisa do Instituto de Geodésia da Graz University of Technology (TU Graz), na Áustria, revela que os níveis das águas subterrâneas no Velho Continente têm se mantido extremamente baixos desde 2018, "mesmo que eventos climáticos extremos com inundações deem temporariamente uma impressão diferente".
LEIA MAIS
VÍDEO E FOTOS: Seca severa na Itália faz com que canais de Veneza fiquem inavegáveis
Entenda se os temporais recentes, como os que atingiram Rio e SP, têm relação com o aquecimento global
Os primeiros registros da questão da seca na Europa Central podem ser observados em uma publicação de 2020 de Eva Boergens. Naquele momento, a pesquisadora notou que houve uma importante escassez de água nos verões de 2018 e 2019 na região. Desde então, revelam os estudos deste ano, não houve aumento nos níveis das águas subterrâneas.
Pelo contrário. Análises feitas pelos cientistas Torsten Mayer-Gürr e Andreas Kvas com base em imagens feitas por satélites mostram a seca se espelhando pela Europa, com chuvas insuficientes e calor mais intenso que o normal.
Imagem de satélite mostra seca na região da Europa Central
Reprodução/NASA e TU Graz
Falta de neve
Imagens de satélite mostram a superfície da Província de Cuneo, na Itália, em janeiro de 2021 e janeiro de 2023, revelando a queda na quantidade de neve
Reprodução/CIMA Research Foundation
Estudos da CIMA Research Foundation alertam para o mesmo risco de seca, mas sob uma perspectiva diferente. Em uma análise feita também com imagens de satélites, a fundação percebeu uma forte diminuição na quantidade de neve nos invernos de 2022 e 2023 na região dos Alpes, em relação a 2021.
"As temperaturas amenas no outono e no inverno, combinadas com a falta de precipitação na forma de neve, levaram a um grande déficit no equivalente de água da neve (a quantidade de água armazenada na forma de neve), pelo segundo ano consecutivo", pontua a CIMA.
De acordo com a fundação, "as imagens das pistas de esqui reduzidas a miseráveis ​​faixas de neve artificial não são apenas um sinal de problemas para o turismo: de fato, a escassez de precipitação sob a forma de neve nos Alpes também pode ser um problema grave em termos de gestão dos recursos hídricos, porque significam que o abastecimento de água obtida pela neve é ​​escasso".
Essa combinação de fatores já trouxe problemas para a Europa, sobretudo no verão de 2022, com leitos de rios secando, águas paradas e diversos impactos ambientais e sociais.
"Não só inúmeras espécies aquáticas perderam seu habitat e os solos secos causaram muitos problemas para a agricultura, como também a escassez de energia na Europa piorou como resultado. As usinas nucleares na França careciam de água de resfriamento para gerar eletricidade suficiente e as usinas hidrelétricas também não poderiam cumprir sua função sem água suficiente", explicam os pesquisadores da TU Graz.
Com a continuidade da situação climática preocupante, as perspectivas para 2023 são pessimistas e indicam um verão ainda mais seco. Torsten Mayer-Gürr afirma que, há alguns anos, não imaginava que este seria um problema no continente, mas que a questão da água na Europa se tornou "muito precária".
Imagens da seca
Além das imagens de satélite, moradores e turistas já percebem a gravidade da seca a olho nu. Em Veneza, na Itália, por exemplo, as marés estão tão baixas que impossibilitam a navegação de gôndolas, táxis aquáticos e ambulâncias em alguns dos canais.
Veneza na seca: nível da água está tão baixo que impossibilita a navegação nos canais
Riscos de inundação
Embora muito se fale sobre as secas severas na Europa, as mudanças climáticas também trazem outro risco para o continente: o das inundações. Pesquisa divulgada no jornal Nature Climate Change alerta que o risco de inundações fluviais na região pode atingir níveis sem precedentes devido ao aquecimento global e ao desenvolvimento contínuo em áreas propensas a inundações.
O aquecimento global, explicam os cientistas, leva a uma perda significativa de pedaços gigantes de geleiras no meio dos oceanos, o que causa elevações bruscas no nível das águas - levando a graves inundações.
Em 2021, por exemplo, a Europa Ocidental viveu a pior enchente em um século, com mais de 180 mortos e regiões inteiras destruídas pelas chuvas e deslizamentos.
VÍDEO: Imagens de drone mostram destruição causada por enchentes na Alemanha

do G1



Fonte: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2023/02/25/seca-na-europa-em-2023-pode-ser-mais-severa-que-em-2022-fotos-mostram-canais-secando-e-pouca-neve-nos-alpes.ghtml


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://matogrossoemfoco.com.br/.