Mato Grosso em Foco Publicidade 1200x90
17/04/2023 às 20h14min - Atualizada em 18/04/2023 às 00h01min

Parentes de vítimas do voo Rio-Paris em 2009 dizem estar enojados por absolvição da Air France e da Airbus

'Nada resta além de desesperança, consternação e raiva', afirmou Danièle Lamy, presidente da associação Entraide et Solidarité AF447, que representa as famílias das vítimas.

G1
https://g1.globo.com/mundo/noticia/2023/04/17/na-franca-parentes-de-vitimas-do-voo-rio-paris-em-2009-dizem-estar-enojados.ghtml


'Nada resta além de desesperança, consternação e raiva', afirmou Danièle Lamy, presidente da associação Entraide et Solidarité AF447, que representa as famílias das vítimas. Justiça francesa absolve Airbus e Air France e decisão revolta parentes das vítimas
Parentes de vítimas francesas do voo AF477, da Air France, que caiu em uma viagem do Rio de Janeiro a Paris em 2009, criticaram a decisão da Justiça da França que absolveu a companhia aérea e a fabricante de aviões Airbus.
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Compartilhe esta notícia pelo Telegram
A Justiça da França absolveu as duas empresas por considerar que não foi possível demonstrar a relação de causalidade entre as imprudências cometidas pelas empresas com o acidente (veja mais abaixo).
"Esperávamos um veredicto imparcial, não foi o caso. Estamos enojados", disse Danièle Lamy, presidente da associação Entraide et Solidarité AF447, que representa as famílias das vítimas.
"Destes 14 anos de espera, nada resta além de desesperança, consternação e raiva", afirmou.
"Eles nos dizem: 'Responsáveis, mas não culpados'. É claro que esperávamos a palavra 'culpados'", afirmou Alain Jakubowicz, advogado da associação.
"Não faz sentido para mim", disse, com a voz trêmula Ophélie Toulliou, que perdeu o irmão no acidente, compartilhando seu "sentimento de injustiça" e "incompreensão".
Brasil, Fernando de Noronha, PE. 08/06/2009. Equipe da Marinha do Brasil faz o resgate em altomar dos destroços do avião da Air France que desapareceu na costa nordestina do Brasil. O voo AF447, um Airbus A330 da Air France, caiu no Oceano Atlântico durante rota entre o Rio de Janeiro e Paris em 1º de junho de 2009, matando 228 pessoas.
Agência Estado
Parentes de vítimas brasileiras
Renata Mendonça, que perdeu o marido, Marco Antonio Mendonça, na tragédia, disse considerar a decisão decepcionante.
“Eu não vou dizer que estamos surpresos. A gente viu, nas audiências em Paris, em novembro do ano passado, que já dava essa pista para nós. Infelizmente, fomos cobaias, pagamos com a vida dos nossos queridos”, afirmou ela.
Nelson Faria Marinho, de 79 anos, disse à agência RFI que a decisão da Justiça da França é absurda, e que ele ficou muito indignado.
Marinho perdeu seu filho Nelson e fundou a Associação de Familiares das Vítimas do Vôo 447. "Sabemos todos que a Air France tem culpa por falta de manutenção das aeronaves e a Airbus por ter fabricado um avião assassino". Ele afirmou que vai consultar os advogados para saber se pode haver ainda um recurso. "A França não é um país sério", afirmou Marinho (nos anos 1960, no Brasil, havia um boato que atribuía ao general Charles de Gaulle, então presidente da França, a frase "o Brasil não é um país sério", mas não há evidência de que o francês tenha dito isso).
Relembre o acidente
O acidente do voo AF447 Rio-Paris em junho de 2009, deixou 228 pessoas mortas. A bordo do avião, um A330, estavam passageiros de 33 nacionalidades:
61 franceses;
58 brasileiros;
2 espanhóis;
1 argentino
A tripulação de 12 pessoas tinha 11 franceses e um brasileiro.
Entenda o que causou o acidente do voo Rio-Paris em 2009
Quase 14 anos depois da tragédia, o tribunal de Paris absolveu as duas empresas por considerar que, embora tenham cometido falhas, não foi possível demonstrar nenhuma relação de causalidade segura com o acidente.
O tribunal proferiu sua decisão em uma sala repleta de familiares das vítimas, equipes da Air France e Airbus e jornalistas. Quando a absolvição foi anunciada, algumas partes civis se levantaram surpresas, enquanto a presidente continuou sua leitura em meio a um silêncio sepulcral.
Imagem de outubro de 2022 de hall de tribunal de Paris onde o caso da Air France e Airbus foi julgado
Gonzalo Fuentes/Reuters
Segundo a sentença, os "erros" das empresas aumentaram as chances de ocorrência do acidente, pelo qual a companhia aérea francesa e a fabricante são "civilmente responsáveis" pelos danos.
O tribunal adiou a questão da avaliação dos danos e prejuízos para uma audiência em 4 de setembro.
A sentença gerou grande expectativa, após uma maratona processual marcada por opiniões conflitantes dos magistrados. No final do julgamento, que ocorreu de 10 de outubro a 8 de dezembro, o tribunal pediu a absolvição de ambas as empresas, por considerar "impossível provar" sua culpa.
As empresas cometeram "imprudências"
Nos dias seguintes ao acidente, foram encontrados os primeiros restos do avião e dos corpos. Mas a fuselagem foi localizada somente dois anos depois, a uma profundidade de 3.900 metros.
As caixas-pretas confirmaram que os pilotos, desorientados por uma falha quando as sondas de velocidade Pitot congelaram no meio da noite, não conseguiram impedir a queda do avião, que ocorreu em menos de cinco minutos.
O tribunal considerou que a Airbus cometeu "quatro imprudências, ou negligências", especialmente por não ter substituído nas aeronaves A330 e A340 os modelos de sondas Pitot denominados "AA", que pareciam congelar com mais frequência e haviam apresentado falhas nos meses anteriores.
A fabricante francesa também teria ocultado informações das companhias aéreas e deveria ter atualizado seu procedimento de estol (perda de sustentação), de acordo com o tribunal.
A Air France cometeu duas "imprudências", relativas às modalidades de divulgação de uma nota informativa dirigida aos seus pilotos sobre as falhas das sondas.
Na esfera criminal, no entanto, segundo o tribunal, "uma relação de causalidade provável não é suficiente para tipificar um crime", já que seria necessário provar que, sem esses erros, "a morte das vítimas não teria ocorrido".

do G1



Fonte: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2023/04/17/na-franca-parentes-de-vitimas-do-voo-rio-paris-em-2009-dizem-estar-enojados.ghtml


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://matogrossoemfoco.com.br/.