10/10/2023 às 16h21min - Atualizada em 10/10/2023 às 16h21min

Pré-candidata em Cuiabá, Rosa Neide já assinou carta em defesa do Hamas em 2021

Grupo terrorista promoveu ataque que matou pelo menos 900 Israelenses no último sábado

https://www.gazetadopovo.com.br/republica/ministros-lula-pt-psol-movimentos-sociais-assinaram-manifesto-pro-hamas-2021/

Rosa Neide faz parte do grupo de pelo menos dez membros do PT ligados ao presidente Lula (entre eles dois ministros do governo), além de entidades aliadas ao partido, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT), que já se posicionaram abertamento contra classificar o Hamas como um grupo terrorista. O grupo é o autor da onda de ataques extremistas contra Israel que já vitimou mais de 1,8 mil pessoas entre israelenses e palestinos.

Uma declaração do governo britânico em 2021, que contou com o apoio dos Estados Unidos e de países da União Europeia, levou o partido e entidades a publicarem um manifesto a favor do grupo extremista que deu origem à guerra contra Israel em 2023. Além do PT, a carta também foi assinada por deputados do PSOL, PCdoB e PSB, partido do vice-presidente Geraldo Alckmin.

Na época da publicação do manifesto, os signatários criticaram a classificação do "Movimento de Resistência Islâmico - Hamas" pelo Reino Unido como uma “organização terrorista”.

A carta articulada pelo Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) afirmava que o posicionamento do Reino Unido “representa uma extensão da política colonial britânica, em desacordo com a posição da maioria do povo da Inglaterra, que se opõe à ocupação israelense e aos seus crimes”.

Para o partido e os movimentos, o “direito à resistência” é assegurado pelo Direito Internacional e Humanitário, pela Carta das Nações Unidas e por outras resoluções da ONU (veja o manifesto completo mais abaixo).

A assinatura da carta por políticos e movimentos de esquerda veio à tona em um momento em que o governo Lula resiste em classificar o Hamas como um grupo terrorista. Há apenas notas de repúdio contra a violência e a violação dos direitos humanos, como a tortura e a morte de civis inocentes, como o brasileiro Ranani Glazer, no sábado (7).

Dos dez partidários do PT que foram contra a classificação do Hamas como um grupo terrorista, quatro mudaram parcialmente de opinião e passaram a condenar os métodos utilizados pela facção desde o início da guerra, no final de semana.

O principal deles, o ministro Alexandre Padilha (PT-SP), afirmou que o documento assinado em 2021 ocorreu em um contexto de pandemia, em que “aumentar o tensionamento com organizações da região tornaria ainda mais difícil garantir ações de cuidado pelos governos locais [do Oriente Médio] ou obter ajuda internacional para àquelas localidades, de modo a assegurar cuidados de saúde e água a milhões de inocentes que ali vivem”.

“Em nenhuma hipótese essa decisão pode ser confundida com apoio a qualquer tipo de violência. Já deixei claro meu absoluto repúdio aos atos terroristas praticados nessa semana”, escreveu em uma nota publicada nas redes sociais sem mencionar diretamente o Hamas. Padilha ainda chamou de “fake news” a notícia de que não se posicionou efetivamente contrário ao grupo.

O mesmo conteúdo de Padilha foi compartilhado pela ex-deputada federal Professora Rosa Neide (PT-MT), que também repudiou os “atos terroristas praticados” nesta semana. Contudo, assim como o correligionário, a deputada não mencionou diretamente o grupo terrorista.

Parlamentares pressionam governo Lula a classificar Hamas como organização terrorista Lula e Itamaraty são criticados por tratar assassinato de brasileiro como “falecimento” Primeiro avião com 211 brasileiros decola de Israel, outros 5 estão programados

Outro petista signatário da carta a favor do Hamas e que mudou parcialmente de opinião é o deputado federal Helder Salomão (PT-ES), que não classificou diretamente os ataques como terrorismo, mas disse que é preciso “condenar todo tipo de violência e trabalhar por uma cultura de diálogo, de tolerância e de paz entre as nações”.

Assim como a posição do governo brasileiro, Salomão defendeu o cumprimento do acordo de reconhecimento dos dois territórios coexistindo pacificamente. Posicionamento semelhante ao do deputado federal Padre João (PT-MG), que compartilhou uma nota do PT para expressar o repúdio aos ataques e a defesa do acordo.

“O Projeto Juntos para Servir reitera o posicionamento do PT sobre o caso Palestina e Israel. Qualquer informação além disso não condiz com o posicionamento do projeto composto por Leleco Pimentel [deputado estadual em MG] e Padre João”, disse na postagem reproduzindo logo depois o posicionamento do PT.

O partido disse, através da presidente Gleisi Hoffmann e do secretário de Relações Internacionais do PT, Romenio Pereira, que “repudia todo e qualquer ato de violência e se solidariza com todas as vítimas e seus familiares”.

“O Partido dos Trabalhadores expressa sua preocupação com a recente escalada de violência envolvendo palestinos e israelenses, com diversas vítimas civis, incluindo crianças e idosos”, afirmou.

O PT afirma que o único caminho para a paz na região é o cumprimento dos acordos de Oslo, que completaram 30 anos em 2023, e o cumprimento das resoluções da ONU, e que tem confiança de que “o Brasil poderá cumprir como mediador deste conflito histórico, situando-se à frente do Conselho de Segurança da ONU”.

Como o Hamas finalmente expôs o viés anti-Israel da mídia mainstream Deputados condenam tom ameno do governo Lula após ataque terrorista a Israel Liderança no Conselho de Segurança da ONU não fará Brasil relevante na guerra entre Israel e Hamas

Por outro lado, petistas históricos como o ministro Paulo Pimenta (PT-RS), da Secretaria de Comunicação da Presidência da República; o presidente da Itaipu Binacional, Enio Verri (PT-PR); e os deputados Zeca Dirceu (PT-PR), Érika Kokay (PT-DF), Nilto Tatto (PT-SP) e Paulão (PT-AL) assinaram a carta de 2021 e ainda não se posicionaram sobre os ataques do Hamas. A Gazeta do Povo entrou em contato com suas assessorias e aguarda resposta.

Além do PT, a carta também foi assinada por deputados do PSOL, PCdoB e PSB, partido do vice-presidente Geraldo Alckmin. Ele repudiou a violência dos ataques, mas igualmente sem nominar o Hamas e sem classificar os atos como terrorismo.

“Repudio os ataques aéreos e terrestres, com relatos de sequestros de civis, vindos de Gaza contra o território do Estado de Israel. Os ataques devem cessar imediatamente, como pede o posicionamento do Itamaraty. A retomada das conversas pela paz na região é fundamental. Meus sentimentos aos familiares das vítimas”, disse Alckmin.

Já entre as entidades citadas, o MST mantém o posicionamento e afirma que “a Resistência Palestina, desde Gaza, reagiu de maneira legítima, às agressões de à política de extermínio que Israel implementa na região há mais de 75 anos”.

“O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Brasil mais uma vez reitera nosso apoio total e irrestrito à luta do povo Palestino pela sua autodeterminação e contra a política de apartheid implementada por Israel”, disse em uma nota publicada na segunda (9).

Por outro lado, a CUT adotou um posicionamento contrário à escalada de violência, mas endereçou a autoria dos ataques ao próprio governo israelense. Em uma nota publicada nesta terça (10), a entidade trabalhista pede um “cessar fogo imediato e a retomada de negociações do Estado de Israel com os legítimos representantes do povo palestino”.

“A própria imprensa israelense, como o prestigioso jornal Haaretz, atribui a responsabilidade pela atual situação no Oriente Médio ao governo de Netanyahu, um governo racista, colonizador, autoritário e belicista, que criou uma situação de ataques cotidianos aos palestinos também na Cisjordânia, em Jerusalém oriental, e que foi questionado por grandes mobilizações dentro do próprio Estado de Israel”, disse a CUT em nota.

A entidade pede, ainda, o fim do bloqueio “criminoso” à Faixa de Gaza “à pretexto de represálias ao Hamas”, assina Sérgio Nobre, presidente da CUT.

Israel confirma morte de dois líderes do Hamas em Gaza Mais de 40 corpos de bebês assassinados são encontrados em assentamento israelense Nem bug nem hackers: lançamento massivo de foguetes do Hamas superou capacidade antiaérea de Israel O que diz o manifesto

Veja abaixo o texto completo do manifesto redigido em 2021 pelos partidos e movimentos sociais:

“Resistência não é terrorismo!
Todo apoio ao povo palestino na luta por legítimos direitos

Os parlamentares, entidades e lideranças brasileiras que subscrevem este documento, expressam o seu profundo descontentamento à declaração da secretária do Interior da Inglaterra, Priti Patel, que atribuiu ao Movimento de Resistência Islâmico – Hamas, a designação de “organização terrorista”, alegando falsamente que o Movimento palestino seria “fundamentalmente e radicalmente antissemita”.

Este posicionamento representa uma extensão da política colonial britânica, em desacordo com a posição da maioria do povo da Inglaterra, que se opõe à ocupação israelense e aos seus crimes. Seu objetivo é claro: atingir a legítima resistência palestina contra a ocupação e o apartheid israelense, numa clara posição tendenciosa em favor de Israel e tornando-se cúmplice das constantes agressões aos palestinos e aos seus direitos legítimos.

O direito à resistência assegurados pelo Direito Internacional e Humanitário, pela Carta das Nações Unidas e por diversas Resoluções da ONU, entre elas as de nº 2.649/1970, 2.787/1971 e 3103/1974, reiterando o direito de todos os povos sob dominação colonial e opressão estrangeira de resistir ao ocupante usurpador e se defender.

A resistência é um legítimo direito dos palestinos contra a ocupação e as reiteradas violações dos direitos humanos, bem como os crimes de guerra. Direito que os palestinos não abrem mão e para o qual, contam com o nosso apoio e solidariedade à sua causa de libertação e pelo seu Estado nacional palestino.

Brasil, 23 de novembro de 2021”.

Ministro Paulo Pimenta (PT-RS)
Ministro Alexandre Padilha (PT-SP)
Deputada Érika Kokai (PT-DF)
Deputada Fernanda Melchiona (PSOL-RS)
Deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ)
Ex-deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC)
Ex-deputada Professora Rosa Neide (PT-MT)
Deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP)
Deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ)
Ex-deputado Camilo Capiberibe (PSB-AP)
Ex-deputado David Miranda (PSOL-RJ)
Ex-deputado Enio Verri (PT-PR)
Deputado Gláuber Braga (PSOL-RJ)
Deputado Helder Salomão (PT-ES)
Deputado Ivan Valente (PSOL-SP)
Deputado Nilto Tatto (PT-SP)
Deputado Orlando Silva (PCdoB-SP)
Deputado Padre João (PT-MG)
Deputado Paulão (PT-AL)
Deputado Zeca Dirceu (PT-PR)
Partido Socialismo e Liberdade – PSOL
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST
Instituto Brasil Palestina – IBRASPAL
Central Única dos Trabalhadores – CUT
Federação Árabe Palestina do Brasil – FEPAL
Aliança Palestina do Maranhão
Aliança Palestina Recife
Amigos de Palestina
Associação de Solidariedade e pela Autodeterminação do Povo Saaraui – ASAARAUI
Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz – Cebrapaz
Centro Cultural Manoel Lisboa
Ciranda Comunicação Compartilhada
Comitê Anti-imperialista General Abreu e Lima – CAL
Comitê Brasileiro em Defesa dos Direitos do Povo Palestino
Comitês Islâmicos de Solidariedade – CIS
Espaço cultural e político al Janiah
Frente Nacional de Luta Campo e Cidade – FNL
Fórum Latino Palestino – FLP
Grupo de Estudos Retóricas do Poder e Resistências – GERPOL/UnB
Instituto de Estudos sobre Geopolítica do Oriente Médio – IGEOP
Instituto Estudos e Solidariedade para Palestina Razan al-Najjar
Movimento pela Libertação da Palestina – Ghassan Kanafani
Movimento Policiais Antifascistas do Maranhão
Movimento Popular Socialista – MPS-PSB
Observatório Proletário
Sociedade Palestina de Brasília


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://matogrossoemfoco.com.br/.